Notícias

Divulgação Cultural

Exposição | Rituais públicos no império português 1640-1821 | Inauguração 30 jun. 18h00 | Sala de Exposições Piso 3

Exposição | Rituais públicos no império português 1640-1821 | Inauguração 30 jun. 18h00 | Sala de Exposições Piso 3

Rituais públicos no império português 1640-1821
EXPOSIÇÃO | 30 jun. – 7 out. ’22 | Sala de Exposições Piso 3 | Entrada livre
INAUGURAÇÃO | 30 jun. ’22 | 18h00

Entre 1640 e 1821, foram muitos os rituais públicos que ocorreram em cidades e vilas de todo o império português. Contam-se, entre eles, entradas solenes, procissões, canonizações e diversas festas religiosas, incluindo, nascimentos, batismos, casamentos e funerais régios.

No geral, estas cerimónias visavam fortalecer as instituições políticas e religiosas e disseminar determinadas imagens sobre o poder e a sociedade, para, dessa forma, reforçar a coesão social, tanto na metrópole como nos territórios ultramarinos. Todavia, estas práticas também podiam expressar imaginários políticos, sociais e religiosos diferentes, neles se manifestando a variedade, as tensões e as contradições do império.

Muitos destes eventos foram registados em relatos manuscritos e impressos, ou em imagens que fornecem descrições mais ou menos detalhadas dos seus participantes e públicos (europeus e não-europeus), dos objetos utilizados, e dos itinerários locais. Nessa medida, constituem lentes privilegiadas para explorar dimensões das experiências imperiais portuguesas que nem sempre se encontram noutro tipo de documentação histórica. Esse é o caso, por exemplo, de rituais que ocorreram paralelamente aos que são privilegiados pelas fontes narrativas.

A partir de relatos impressos e gravuras, e de objetos animados de outra imagética que expandem as leituras que aqueles encerram, a exposição Rituais Públicos no Império Português (1640-1821) tem como objetivo refletir sobre as questões acima referidas.

Para o fazer, propõe-se um itinerário assente em três conjunturas políticas: a época da Restauração, o século XVIII de D. José I, e o período que medeia entre a partida da corte brasileira para o Rio de Janeiro e a Revolução Liberal de 1821.

Cada um destes núcleos representa momentos distintos das experiências políticas ocorridas no império português e das linguagens rituais que lhes estiveram associadas: a recuperação da autonomia política e, com ela, a exaltação de uma determinada imagem da monarquia portuguesa; um período de estabilidade política expressa, também, na cultura imperial; e o período inaugurado pelas invasões napoleónicas e as convulsões políticas e geopolíticas que lhe estiveram associadas.

Tendo como cenário estas conjunturas, a exposição privilegia três eixos de análise: os imaginários políticos e religiosos dominantes; as paisagens sociais que se vislumbram a partir das narrativas rituais, desde as lógicas mais gerais de hierarquização social, até à maneira como as quatro partes do mundo e os seus habitantes aí eram apresentados; e as paisagens urbanas destes relatos, nomeadamente as descrições dos espaços que acolheram tais eventos e os itinerários formais aí referidos.

Dessa forma, torna-se também possível entender as transversalidades tópicas nas linguagens rituais, bem como as variações conjunturais e estruturais, quer devido aos contextos políticos, quer resultantes dos contextos geográficos e socioculturais nos quais as celebrações tiveram lugar.

Com esta exposição dá-se também a conhecer o riquíssimo espólio de textos impressos existentes na Biblioteca Nacional de Portugal, na Biblioteca Pública de Évora e na Biblioteca da Ajuda, assim como as novas ferramentas de análise de muitos destes relatos que ficarão disponíveis no site do projeto Rituais Públicos no Império Português (1498-1821).

Comissários: Ângela Barreto Xavier, António Camões Gouveia e Joana Ribeirete de Fraga

Fonte: bnportugal.pt

Outros artigos em Divulgação Cultural:

Apresentação | Sketch Tour Portugal | 19 jul.’22 | 18h00 | Anfiteatro

Apresentação | Sketch Tour Portugal | 19 jul.’22 | 18h00 | Anfiteatro

Em 2017, o Turismo de Portugal convidou vinte e quatro urban sketchers de várias nacionalidades a fazerem uma viagem por Portugal. Em 2021, a nova edição da Sketch Tour resultou de um novo e diferente desafio que aliou o desenho à escrita, conjugando as visões de urban sketchers e de escritores portugueses.

Apoios/Parcerias:

Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA (APECS)By The BookCarmo's Residence - Art ApartmentsConsulped - Consultórios de Pediatria e da Famíliaideiavirtual - aplicações interativasLACPEDI - Liga de Apoio Comunitário em prol do Estudo das Doenças InfecciosasLiga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, LAHSB-CHS
LASAOrdem dos MédicosSociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos (SOPEAM)Sociedade Portuguesa de Medicina Interna: SPMISociedade Portuguesa de Medicina do Viajante (SPMV)sYnapsis