Notícias

Divulgação Cultural

 

Poças & a Arte da Tanoaria

Poças & a Arte da Tanoaria

Tanoeiro é aquele que faz ou conserta tonéis, barricas ou balseiros, sendo o ilustre responsável por garantir a sua preservação e reutilização por anos a fio. Enquanto construtor e cuidador da madeira, o tanoeiro é, no final de contas, o feliz responsável por todos os sabores e aromas especiais que assaltam o vinho durante a sua estadia nas caves.

A tradição da tanoaria tinha particular relevo nas zonas ribeirinhas, nas regiões de produção vínica, pelo facto de tonéis, barricas e balseiros serem um elemento fundamental para a produção de vinho. Enquanto há uns séculos atrás todas as casas produtoras de vinho tinham uma tanoaria, e o ofício era alvo de grande interesse para mestres e aprendizes, atualmente encontra-se quase em vias de extinção, por faltar quem ensine e quem queira aprender a arte de tão bem cuidar da madeira.

Poças & a Arte da Tanoaria

Porque a madeira tem personalidade forte, para domínio deste ofício não basta ler ou querer saber. É preciso, além de mãos hábeis e braços fortes, ter com quem aprender e experimentar, sendo necessários vários anos para atingir o ponto certo, estando por isso dependente da fiel passagem de conhecimento geração após geração.

Na produção do vinho do Porto a principal função da madeira é permitir o contacto constante do vinho com o ar, dando espaço para a natural oxidação e, por esse mesmo motivo, a escolha do local onde um vinho irá envelhecer diz muito sobre o perfil que nele se procura desenvolver.

Se numa barrica com 500-600 litros o vinho ganha um contacto mais próximo com a madeira, adquirindo um perfil progressivamente mais oxidativo; num balseiro, com capacidade para acolher mais de 15.000 litros, o vinho mantém elevados níveis de concentração e intensidade por ter menos contacto direto com a madeira.

Conheça aqui a história da nossa tanoaria, onde o António e o Jacinto tão bem cuidam de toda a madeira.

Outros artigos em Divulgação Cultural:

1 OUTUBRO | ARTUR PIZARRO | RECITAL DE PIANO

1 OUTUBRO | ARTUR PIZARRO | RECITAL DE PIANO

Celebrando a longa ligação portuguesa e francesa à cultura e música chinesa, Artur Pizarro interpreta obras de compositores dos 3 países, num programa original concebido para este recital na Fundação Oriente, que assinala o Dia Europeu das Fundações e Doadores e o Dia Mundial da Música.

Congresso | Mistérios e segredos dos Cancioneiros: caminhos da poesia, iluminura e escrita nas cantigas medievais… | 22 set. ’22 | 09h30-18h00

Congresso | Mistérios e segredos dos Cancioneiros: caminhos da poesia, iluminura e escrita nas cantigas medievais… | 22 set. ’22 | 09h30-18h00

O projeto “Stemma – Do Canto à escrita. Produção material e percursos da lírica galego-portuguesa” visou compreender melhor tanto os parâmetros da passagem do canto trovadoresco ibérico à escrita, como o desconhecido percurso posterior dos manuscritos, nomeadamente o papel que neste stemma desempenharam importantes figuras do humanismo renascentista português e europeu

Apoios/Parcerias:

Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA (APECS)By The BookCarmo's Residence - Art ApartmentsConsulped - Consultórios de Pediatria e da Famíliaideiavirtual - aplicações interativasLACPEDI - Liga de Apoio Comunitário em prol do Estudo das Doenças InfecciosasLiga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, LAHSB-CHS
LASAOrdem dos MédicosSociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos (SOPEAM)Sociedade Portuguesa de Medicina Interna: SPMISociedade Portuguesa de Medicina do Viajante (SPMV)sYnapsis