Notícias

Divulgação Cultural
 

Lançamentos | Transversal_Mente / Oblíqua_Mente | 8 maio | 18h30 | BNP

Lançamentos | Transversal_Mente / Oblíqua_Mente | 8 maio | 18h30 | BNP

Transversal_Mente e Oblíqua_Mente
LANÇAMENTOS | 8 maio ’19 | 18h30 | Auditório BNP | Entrada Livre

Lançamentos | Transversal_Mente / Oblíqua_Mente | 8 maio | 18h30 | BNPCom autoria de Isabel Allegro de Magalhães e a chancela Caleidoscópio, as obras Transversal_Mente: Literatura e Música e Oblíqua_Mente: Literatura e Identidades, são apresentadas respetivamente por Rui Vieira Nery e Isabel Hub de Faria.

Como escreve Rui Vieira Nery, em Transversal_Mente: Literatura e Música, esta obra é reveladora da «relação entre a palavra, tanto escrita como falada, e a música. Uma relação que começa pela simples musicalidade intrínseca da prosódia do texto, com o seu desenho melódico em cantilena entoada, a sua sequência rítmica das sílabas acentuadas e átonas em padrões de acentuação regular ou irregular, a sua articulação diversificada de sons, ora suaves e fluidos, ora percutidos e entrecortados. Mas que também passa pela gestão temporal dos processos narrativos, pelos efeitos expressivos que jogam com as sonoridades da palavra, ou até por um desenho formal do texto que pode mimetizar de modo insuspeitado os processos de exposição, desenvolvimento, reexposição, variação, transição ou coda das formas musicais. É esta teia subtil e complexa de interacções múltiplas entre a escrita literária e a composição musical que emerge destes pequenos textos tão reveladores de Isabel Allegro de Magalhães com uma lucidez, uma sensibilidade, uma erudição e uma intuição raras, trazendo à superfície os laços profundos mas tantas vezes despercebidos que unem as duas linguagens».

Lançamentos | Transversal_Mente / Oblíqua_Mente | 8 maio | 18h30 | BNPEm Oblíqua_Mente: Literatura e Identidades, lê-se que «a linha geométrica designada como «oblíqua» parece tornar-se aqui fecunda, já que qualquer aproximação a uma obra de arte, e de entre as diferentes artes, à literatura em particular, usará irremediavelmente de um filtro ou viés que é o da subjectividade tanto a de quem lê e comenta como a do próprio sujeito artista. Por isso, razão parece terem os versos de Emily Dickinson, quando neles se aconselha procedimentos oblíquos no discurso, embora o contexto em que a declaração é feita mostre a intenção de obliquidade como apenas uma possibilidade entre outras».

Isabel Allegro de Magalhães é professora catedrática de Literatura Comparada, da Universidade Nova de Lisboa. Foi Leitora na UNAM (México) e na Universidade da Califórnia (Santa Bárbara). Tem publicados cem ensaios e artigos em revistas da área e livros coletivos.

Fonte: bnportugal.pt

Outros artigos em Divulgação Cultural:
Visita guiada | Do Convento ao Campo Grande | 23 maio | 18h00 | BNP

Visita guiada | Do Convento ao Campo Grande | 23 maio | 18h00 | BNP

Em 1837, a Biblioteca Nacional foi instalada no antigo Convento de São Francisco, ao Chiado, na sequência da extinção das ordens religiosas. Dos conventos de todo o país chegavam coleções de livros, móveis, pinturas, instrumentos científicos, que se juntavam aos acervos iniciais, provenientes da antiga Real Mesa Censória e de importantes doações particulares

Apoios/Parcerias:

Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA (APECS)By The BookCarmo's Residence - Art ApartmentsConsulped - Consultórios de Pediatria e da Famíliaideiavirtual - aplicações interativasLACPEDI - Liga de Apoio Comunitário em prol do Estudo das Doenças InfecciosasLiga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, LAHSB-CHS
LASAOrdem dos MédicosSociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos (SOPEAM)Sociedade Portuguesa de Medicina Interna: SPMISociedade Portuguesa de Medicina do Viajante (SPMV)sYnapsis