Notícias

Divulgação Cultural

Lançamento | Como Fomos, Assim Estamos. Portugal escrito pelos Portugueses, e não só | 9 out. | 18h00 | BNP

Lançamento | Como Fomos, Assim Estamos. Portugal escrito pelos Portugueses, e não só | 9 out. | 18h00 | BNP

Como Fomos, Assim Estamos
Portugal escrito pelos Portugueses, e não só

LANÇAMENTO | 9 out. ’18 | 18h00 | Anfiteatro | Entrada livre

 

Lançamento | Como Fomos, Assim Estamos. Portugal escrito pelos Portugueses, e não só | 9 out. | 18h00 | BNPEncontro com apresentação de Maria Flor Pedroso da obra de autoria de Maria Luísa Bouza Serrano e Olívia Beleza Afonso (edição Vega, 2018).

Este é um livro de História incomum, especial e diferente de todos os outros livros de História. Trata de assuntos que já passaram. Também por isso, Como Fomos, Assim Estamos é uma surpresa.
Primeiro, é uma surpresa pela ideia. Luísa Serrano e Olívia Afonso resolveram colocar à nossa disposição textos que estão acessíveis a todos com uma sequência ordenada, lógica, nem sempre sequencial, mas sempre relevante. Sete séculos de textos, de palavra que ficou escrita, que é fonte documental pronta a ser interpretada, cruzada e debatida. Um ovo de Colombo, uma ideia simples que só pode surpreender o leitor.

Como Fomos, Assim Estamos é ainda uma surpresa pela escolha dos textos e dos autores. Para lá dos já citados, tem Fernão Lopes e Zurara e Padre António Vieira e Camilo e Eça e Chagas e Brandão e Caraça e Aquilino e O’Neill e Lídia e Agostinho e Vicente e António e Adriano e José Mário Branco e Borges Coelho e António Aleixo e… é impossível dizer todos. Além das cartas pelo punho de reis, presidentes e ministros e até se fica a saber que a Inquisição deu autorização para imprimir Os Lusíadas ou, um pouco antes, a Maneira de Conversar com o Mundo para se Evitar Escândalos, de S. Francisco Xavier.

Finalmente, o leitor tem, à mão de semear, a surpresa de uma magnífica aula de História. Para não esquecer o que já passou e sobretudo para guardar a memória tentando não cometer os mesmos erros. Este livro não tem preço e só posso agradecer o privilégio. Uma descoberta permanente para quem quer perceber porque é que as coisas são como são.

Maria Flor Pedroso (do Prefácio)

Fonte: bnportugal.pt

Outros artigos em Divulgação Cultural:
Visita guiada | Exposição A diáspora da palavra | 23 set. | 16h00 | BNP

Visita guiada | Exposição A diáspora da palavra | 23 set. | 16h00 | BNP

A cultura portuguesa no século XVI conheceu o mundo. Muitas são as obras escritas por portugueses – de grandes livros a pequenos textos, passando por poemas isolados – que foram impressas além-fronteiras. Umas acompanharam a diáspora dos seus autores, outras foram aí produzidas por razões económicas ou por interesse dos locais nos escritos desses portugueses – uns vivos, outros mortos.

Mostra | ​Seara Nova, editora de livros | 15 set – 31 dez. | BNP

Mostra | ​Seara Nova, editora de livros | 15 set – 31 dez. | BNP

Embora o papel ímpar que a revista com o mesmo nome desempenhou na cultura portuguesa tenha sobrelevado sobre a restante atividade da Empresa de Publicidade Seara Nova, dada a conhecer em maio de 1921, o conjunto das obras que esta publicou, com aproximadamente seiscentos títulos, eleva-a à condição de uma das principais chancelas editoriais portuguesas do século XX.

Apoios/Parcerias:

Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA (APECS)By The BookCarmo's Residence - Art ApartmentsConsulped - Consultórios de Pediatria e da Famíliaideiavirtual - aplicações interativasLACPEDI - Liga de Apoio Comunitário em prol do Estudo das Doenças InfecciosasLiga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, LAHSB-CHS
LASAOrdem dos MédicosSociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos (SOPEAM)Sociedade Portuguesa de Medicina Interna: SPMISociedade Portuguesa de Medicina do Viajante (SPMV)sYnapsis