Notícias

Divulgação Cultural

Exposição | A fábrica de sonhos: os primeiros 25 anos da Agência Portuguesa de Revistas | 27 set. | 18h00 | BNP

Exposição | A fábrica de sonhos: os primeiros 25 anos da Agência Portuguesa de Revistas | 27 set. | 18h00 | BNP

A fábrica de sonhos
Os primeiros 25 anos da Agência Portuguesa de Revistas (1948-1973)

EXPOSIÇÃO | 27 set. ’18 | 18h00 | Galeria do Auditório | Entrada livre / até 28 dez. ’18

Exposição | A fábrica de sonhos: os primeiros 25 anos da Agência Portuguesa de Revistas | 27 set. | 18h00 | BNPA Agência Portuguesa de Revistas foi fundada em 1948 por Mário de Aguiar e António Joaquim Dias. A Agência, nome pelo qual era simplesmente conhecida no meio editorial e pelo grande público, é hoje um nome quase desconhecido das gerações posteriores à sua extinção em 1987, no entanto, no Portugal dos anos 60, as suas publicações estavam por todo o lado: mais de 50 títulos diferentes, entre revistas e romances seriados, com uma tiragem combinada de mais de um milhão de exemplares mensais, como proclamava a publicidade da época. Esses títulos incluíam a conceituada revista de espetáculos Plateia, a revista de banda desenhada Mundo de Aventuras, que difundiu em Portugal heróis como Flash Gordon, Mandrake ou o Super-Homem, e, claro, a Crónica Feminina, que divulgou as fotonovelas no País e alcançou tiragens inauditas de 150 mil exemplares semanais. Isto além dos álbuns de histórias infantis e dos cromos-surpresa, que lançou em Portugal.

Além de alcançar numerosos segmentos-alvo definidos pelo sexo (além da Crónica Feminina publicou uma Crónica Masculina e uma Crónica Desportiva), pelos interesses pessoais (cinema, televisão, romances policiais, ficção científica, lavores,…), ou pela idade, praticou uma segmentação por poder económico e durante os fascinantes anos 50 chegou a publicar simultaneamente revistas de banda desenhada cujo preço de capa começava nuns inacreditáveis «dois tostões» ($20) com quatro histórias de continuação impressas nas aparas de papel que sobravam doutras publicações, até uns, na época elevados, «vinte e cinco tostões» (2$50), pelos quais se adquiria um pequeno álbum com histórias completas.

Exposição | A fábrica de sonhos: os primeiros 25 anos da Agência Portuguesa de Revistas | 27 set. | 18h00 | BNPA história dos primeiros 25 anos de atividade (o período em que Mário de Aguiar e António Joaquim Dias dirigiram os destinos da grande editora) constitui um extraordinário exemplo de sucesso à americana em terras portuguesas, no qual se misturam a capacidade de inovação, a orientação para o mercado, uma certa visão de qualidade, a aceitação do risco e a capacidade de vencer crises através de soluções de recurso. E também por isso merece ser preservada do esquecimento, tal como o são já hoje algumas das suas publicações.

Onde param esses milhões de revistas e livros? A maior parte esfumou-se no tempo, como tudo o que é efémero, mas uma amostra representativa do período que vai desde a sua fundação até 1973 estará exposta nesta mostra na Biblioteca Nacional de Portugal, numa iniciativa conjunta com o Clube Português de Banda Desenhada, que inclui algumas das suas publicações mais significativas – livros, revistas e coleções de cromos – e uma seleção das suas publicações mais raras.

Fonte: bnportugal.pt

Outros artigos em Divulgação Cultural:
Encontro | O legado d’As mil e uma noites | 24 out. | 14h00 | BNP

Encontro | O legado d’As mil e uma noites | 24 out. | 14h00 | BNP

São apresentadas e debatidas algumas comunicações sobre a receção, representação, tradução e presença d’As mil e uma noites na cultura portuguesa e a nível internacional, principalmente na literatura. O evento decorre no âmbito da exposição As mil e uma noites em Portugal comissariada por Fabrizio Boscaglia, Hugo Maia e Renata Fontanillas

Concerto | Sarau dos Amores: Coro de Câmara da Universidade de Lisboa | 20 out. | 16h00 | BNP

Concerto | Sarau dos Amores: Coro de Câmara da Universidade de Lisboa | 20 out. | 16h00 | BNP

Renascença, tempo de (re)conquista e (re)descoberta do Homem, do mundo e de tudo o que este tinha para dar. Após centenas de anos de amores condenados e proibidos, o amor do renascimento não escapou ao florescer da expressão humana, onde proliferaram as paixões, as conquistas, as saudades, os pesares, as tampas, as despedidas, os desprezos, as traições, o exímio galanteio e os seus grandes ícones

Apoios/Parcerias:

Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA (APECS)By The BookConsulped - Consultórios de Pediatria e da Famíliaideiavirtual - aplicações interativasLACPEDI - Liga de Apoio Comunitário em prol do Estudo das Doenças InfecciosasLiga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, LAHSB-CHSLASA
Ordem dos MédicosSociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos (SOPEAM)Sociedade Portuguesa de Medicina Interna: SPMISociedade Portuguesa de Medicina do Viajante (SPMV)sYnapsis