Citação

em destaque
 

“Viver é ser outro”

Fernando Pessoa, – Bernardo Soares – , Poeta Português, 1888-1935, in “Livro do Desassossego”, 1913

“Viver é ser outro”
Fernando Pessoa, – Bernardo Soares -, Poeta Português, 1888-1935, in “Livro do Desassossego”, 1913
Citação em destaque

O maior poeta português do sec. XX, foi certamente um dos maiores de sempre de toda a Humanidade, sendo conhecido, não só por ter usado com inusitada mestria, a par do Português da sua terra natal, igualmente o francês e, sobretudo, o inglês, mas ainda pelo facto invulgar, entre os seus congéneres, de lhe serem conhecidos presentemente várias dezenas de heterónimos, alguns dos quais tão importantes como o seu próprio criador. Teve uma vida simultaneamente curta e trágica, pois faleceu doente e em sofrida solidão num quarto de um pequeno hospital de Lisboa de causa ainda algo polémica, alegadamente relacionada com os seus reconhecidos hábitos de ingestão excessiva de bebidas alcoólicas. Teve desamores, não foi particularmente bem-sucedido na sua atividade profissional oficial e nunca obteve em vida o devido reconhecimento da sua genialidade ímpar, legando à posteridade uma celebérrima arca recheada de surpreendentes tesouros literários, fruto da sua incomparável criatividade e que ainda hoje desperta inusitada curiosidade e é motivo de aturada investigação por parte dos seus inúmeros cultores. Viu partir, durante a sua infância, igualmente ceifados precocemente por doença, não só o pai, mas também um irmão e uma meia-irmã, para além de se ter deparado ainda com o falecimento de uma avó, com quem passou a viver pouco tempo depois de voltar definitivamente de terras do império de Sua Majestade, a Rainha Vitória, a mesma que haveria de lhe dar o único prémio que obteve, e, finalmente, por se ter confrontado também com o brutal suicídio de um companheiro de lides literárias, Mário de Sá-Carneiro, pouco tempo depois de ambos terem assumido a direção da celebérrima Revista cultural “Orpheu”.

Dir-se-á pois que o poeta sempre se soube travestir de vários “eus”, e que o “outro” foi sempre alguém que sentiu como se fosse o próprio. No ato médico, na relação médico-doente, o clínico, de olhos-nos-olhos, não deve ocultar ao seu paciente qual a verdadeira natureza da enfermidade de que este padece. Mas deve também saber reconhecer o direito deste ao inverso, digo, a não querer ser informado! Por mais grave que seja o pronóstico da enfermidade, nada substitui então a empatia nesta relação tão singular, o que supõe sempre a utilização de uma linguagem (gestual, de expressão facial e de discurso oral) que consiga transmitir, em simultâneo, convicção, tranquilidade e esperança, isto é, que seja Humana na sua plenitude e que represente como que uma transferência de posições, o que implica ter a capacidade suficiente para se saber meter na pele afetiva do contrário, de modo a responder com veracidade a estas duas perguntas tão básicas: E se fosse comigo ou com um dos meus mais queridos familiares ou amigos, como seria? Ou ainda: E se, por acaso, fosse eu o doente e aquela pessoa, o meu médico?

Tudo isto implica ter tempo. Tempo para nos conhecermos a nós próprios. E tempo para conhecermos os nossos doentes, a sua família e a sua história de vida, quais as suas crenças, as tradições que possui e o conjunto de valores por que se rege, sem o que aquela importantíssima mensagem nunca será adequadamente transmitida. É que a verdadeira Medicina, ou é do Homem para o Homem, ou nunca poderá ser apelidada de tal.

No quadro de John Collier, com um título tão sugestivo de “Sentença de Morte”, podemos apreciar isso mesmo. De que outra maneira se poderia transmitir tão catastrófica notícia, se não desta forma, no tranquilo recato de um consultório, no qual aquilo que se pode escutar, depois de proferida “a sentença”, não poderá ser outra coisa que não a respiração meio ofegante, mas solidária, quer do “carrasco”, quer da sua “vítima”, sentimento de grande compreensão mútua que os respetivos fácies não podem deixar de transparecer. Como se fosse em sentido inverso. Tal e qual.

Talvez que o artista se tenha sentido motivado a pintar um quadro com um tema tão interpelante e inusitado, porque quiçá, terá vivenciado alguma experiência que o impeliu a esse doloroso gesto. Sabe-se, através da sua biografia, que a esposa, Marian Huxley (também ela uma promissora pintora e tia do famoso escritor britânico, Aldous Huxley), ainda jovem, pouco depois de ter dado à luz o primeiro filho do casal, adoeceu com uma grave depressão psicológica pós parto, tendo ido para Paris, para aí ser tratada mais convenientemente, vindo a falecer pouco tempo depois de suposta pneumonia. Como lhe teriam sido transmitidas essas terríveis notícias, pergunto? Que outro se terá introduzido no seu eu?

“Sentença de Morte” de 1908, por John Collier, 1950-1934
“Sentença de Morte” de 1908, por John Collier, 1950-1934

Outras citações comentadas:
“Bebemos 90% das nossas doenças”

“Bebemos 90% das nossas doenças”

Louis Pasteur foi, com as suas notáveis descobertas científicas, um dos grandes responsáveis pelo destronar da teoria denominada de “geração espontânea” que impregnou o conhecimento civilizacional durante séculos

“A esperança dos homens é a sua razão de viver e de morrer”

“A esperança dos homens é a sua razão de viver e de morrer”

André Malraux foi, para além de um dos maiores romancistas franceses do sec. XX, prémio Goncourt em 1933, e ainda um grande conhecedor das artes, um intrépido viajante e uma personalidade que sempre valorizou a decisiva importância dos intemporais valores civilizacionais, tais como a liberdade e a solidariedade