Notícias

Divulgação Cultural

«O melhor jornal para rapazes»: 70 Anos do Camarada

«O melhor jornal para rapazes»: 70 Anos do Camarada

MOSTRA | 28 nov. ’17 | 19h00 | Sala de Referência | Entrada livre / até 30 dez. ’17

«O melhor jornal para rapazes»: 70 Anos do CamaradaHá 70 anos, com data de 1 de dezembro de 1947, foi posto à venda o primeiro número de Camarada, «o melhor jornal para rapazes». Tratava-se de uma revista juvenil modestamente impressa a negro e azul em papel de jornal, dirigida e editada por Baltasar Rebelo de Sousa, coadjuvado por Júlio Gil (diretor artístico) e por António Manuel Couto Viana (chefe de redação). Quem não conhecesse a ligação da equipa à Organização Nacional da Mocidade Portuguesa não seria pelo conteúdo que a iria induzir, a começar pelo próprio nome da publicação…

De cariz variado, baseado sobretudo em passatempos e contos (um dos quais ilustrado por J. Mattoso, à maneira da banda desenhada), não se lhe auguraria grande futuro numa época em que concorria com O Mosquito e com o Diabrete. No entanto, talvez por inspiração desses mesmos concorrentes, a revista começou, a partir do n.º 4, a apostar mais na banda desenhada, primeiro com Sangue Aventureiro, de Vitor Péon, e depois, a partir do n.º 5, com Aventuras de Chinchas e Camancéu, de António Alfredo.

«O melhor jornal para rapazes»: 70 Anos do CamaradaNo n.º 6 a revista ganhou cor e novas histórias de banda desenhada se foram sucedendo, sempre de autores portugueses. Nos três anos seguintes, o Camarada publicou banda desenhada original de desenhadores excecionais com carreiras já iniciadas, como Júlio Gil ou José Garcês, começadas na própria revista, como Carlos Alberto Santos, ou que apenas nela se manifestaram, como António Vaz Pereira.

A mostra, comissariada por Carlos Gonçalves e João Manuel Mimoso, do Clube Português de Banda Desenhada (CPBD), resulta da colaboração entre a Biblioteca Nacional de Portugal (BNP) e o CPBD. Percorre os três anos de vida deste Camarada através de exemplares da revista e de originais de ilustrações e pranchas de BD de um conjunto representativo dos seus autores. Conta-se a origem e o legado nas publicações que a antecederam e que se lhe seguiram até ao segundo Camarada, lançado precisamente dez anos mais tarde e cujos 60 anos também se lembram.

Fonte: bnportugal.pt

Outros artigos em Divulgação Cultural:

Mostra | Irmãs Brontë: 200 anos | 20 setembro – BNP

Mostra | Irmãs Brontë: 200 anos | 20 setembro – BNP

As irmãs Charlotte (1816-1855), Emily (1818-1848) e Anne (1820-1849) Brontë, filhas de Patrick Brontë (1777-1861) e Maria Branwell (1783-1821), nasceram no início do século XIX, com dois anos de intervalo entre si, e ficaram conhecidas como romancistas e poetisas, tendo publicado as suas obras em datas próximas e, como era aliás comum na época, sob pseudónimos masculinos

Sessão | Augusto Abelaira, um amigo também | 19 set. | 18h00 | BNP

Sessão | Augusto Abelaira, um amigo também | 19 set. | 18h00 | BNP

Encontro sobre Augusto Abelaira, com intervenções de: Maria Antónia Palla – Augusto Abelaira, um amigo também | Paulo Alexandre Pereira – Outrora, agora. Ler Augusto Abelaira hoje. Este encontro decorre no âmbito da exposição Augusto Abelaira e o continuum narrativo, patente na BNP até 29 de setembro

Apoios/Parcerias:

Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA (APECS)By The BookConsulped - Consultórios de Pediatria e da Famíliaideiavirtual - aplicações interativasLACPEDI - Liga de Apoio Comunitário em prol do Estudo das Doenças InfecciosasLiga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, LAHSB-CHSLASA
Ordem dos MédicosSociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos (SOPEAM)Sociedade Portuguesa de Medicina Interna: SPMISociedade Portuguesa de Medicina do Viajante (SPMV)sYnapsis