Notícias

Divulgação Cultural

Apresentação | Cem Poemas (de Morrer) de Amor e uma Cantiga Partindo-se | 7 dez. | 18h00 | BNP

Apresentação | Cem Poemas (de Morrer) de Amor e uma Cantiga Partindo-se | 7 dez. | 18h00 | BNP

Cem Poemas (de Morrer) de Amor e uma Cantiga Partindo-se
APRESENTAÇÃO | 7 dez. ’18 | 18h00 | Auditório | Entrada livre

Apresentação | Cem Poemas (de Morrer) de Amor e uma Cantiga Partindo-se | 7 dez. | 18h00 | BNPApresentação da obra por Guilherme d’Oliveira Martins e momento musical com Ana Paula (Voz), Custódio Castelo (Guitarra Portuguesa), José Filomeno Raimundo (Piano), Pedro Ladeira (Clarinete) e Miguel Carvalhinho (Guitarra Clássica).

O poeta João Roiz de Castelo Branco, homenageado pela cidade associada ao seu nome e o seu famoso poema: «Senhora partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem», deram o mote à antologia Cem Poemas (de Morrer) de Amor e uma Cantiga Partindo-se, organizada por Gonçalo Salvado e Maria João Fernandes, com ilustrações de Francisco Simões e prefácio de Guilherme d´Oliveira Martins.

Nas palavras de Maria João Fernandes «este livro representa uma etapa fundamental não apenas na tentativa de caracterização de uma Arte de Amar em língua portuguesa, mas do que pode vir a constituir o estudo da antropologia cultural do tema na sua vertente ocidental (…)».

Citando Gonçalo Salvado: «Morrer de amor atravessou os séculos na diversidade de épocas, de estéticas e de sensibilidades (…). Das cantigas de amor e de amigo (…) aos contemporâneos, incluindo alguns inéditos de consagrados poetas. Passando pela poesia renascentista, barroca, romântica e ultra romântica onde atingiu expressões de grande beleza e intensidade lírica e dramática no estro de poetas e poetisas de referência na literatura de língua portuguesa, como Camões, Soror Maria do Céu, Bocage, (…) Castilho, Teixeira de Pascoaes e Florbela Espanca e de muitos outros, esquecidos ou quase desconhecidos».

Como escreve Guilherme de Oliveira Martins, no Prefácio da obra, trata-se de «um repositório dessa ligação muito própria entre o sentimento e a vontade, entre o lirismo e o sentido melancólico e trágico, que nos leva à consideração de quem somos, sem podermos ser reduzidos a qualquer simplificação. Há um fio de Ariadne que nos conduz pelo tempo que flui – e a palavra, desde os trovadores aos poetas do século XXI, assume uma coerência extraordinária e apaixonante, apenas suscetível de nos fixarmos no fantástico poema do inspiradíssimo João Roiz. (…) Dir-se-ia que nestes versos encontramos a presença de toda a poesia do ocidente peninsular».

Fonte: bnportugal.pt

Outros artigos em Divulgação Cultural:

Visita guiada | Do Convento ao Campo Grande | 23 maio | 18h00 | BNP

Visita guiada | Do Convento ao Campo Grande | 23 maio | 18h00 | BNP

Em 1837, a Biblioteca Nacional foi instalada no antigo Convento de São Francisco, ao Chiado, na sequência da extinção das ordens religiosas. Dos conventos de todo o país chegavam coleções de livros, móveis, pinturas, instrumentos científicos, que se juntavam aos acervos iniciais, provenientes da antiga Real Mesa Censória e de importantes doações particulares

Apoios/Parcerias:

Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA (APECS)By The BookCarmo's Residence - Art ApartmentsConsulped - Consultórios de Pediatria e da Famíliaideiavirtual - aplicações interativasLACPEDI - Liga de Apoio Comunitário em prol do Estudo das Doenças InfecciosasLiga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, LAHSB-CHS
LASAOrdem dos MédicosSociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos (SOPEAM)Sociedade Portuguesa de Medicina Interna: SPMISociedade Portuguesa de Medicina do Viajante (SPMV)sYnapsis