Notícias

Divulgação Cultural

Ciclo de Debates | Vida e obra de Maria Lamas: Atualizar o pensamento, abalar a indiferença | 8 mar. | 10h00 | BNP

Ciclo de Debates | Vida e obra de Maria Lamas: Atualizar o pensamento, abalar a indiferença | 8 mar. | 10h00 | BNP

MDM (1968-2018): 50 anos. Mulheres fazendo história
EXPOSIÇÃO | 15 fev. ’18 | 16h00 | Sala de Exposições – Piso 2 | Entrada livre / até 19 maio ’18
CICLO DE DEBATES | 8 de mar. / 20 abr. / 19 maio | Auditório BNP | Entrada livre

Ciclo de Debates | Vida e obra de Maria Lamas: Atualizar o pensamento, abalar a indiferençaCiclo de debates
MDM – Um movimento de mulheres em movimento
A atualidade do movimento de mulheres

8 de março
10h00 | Vida e Obra de Maria Lamas. Atualizar o pensamento, abalar a indiferença – Lançamento do livro de atas do 2º Congresso Maria Lamas

20 de abril
17h00 | ViveMaisAqui: Apresentação da aplicação móvel sobre a violência contra as mulheres, no âmbito do projeto do MDM MulherQvive+aQui

19 de maio
15h00 | Os direitos das mulheres: derivas e desafios

O Movimento Democrático de Mulheres (MDM) assinala 50 anos através de uma exposição na Biblioteca Nacional de Portugal dedicada à atividade e importância do movimento. Na inauguração, em que atuará o grupo de cantares alentejano Papoilas do Enxoé, estarão presentes a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, e a presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG), Teresa Fragoso.

Surgido em 1968, ano de fortes tensões e movimentos sociais por todo o mundo, afirma-se como fazendo parte deles. O 1.º Encontro Nacional do MDM, na Cova da Piedade, a 21 de outubro de 1973, ocorre numa semiclandestinidade, elaborando-se então um caderno reivindicativo que exige a libertação de mulheres em prisão política, o fim das discriminações das mulheres no trabalho, a implementação do parto psicoprofilático, ao mesmo tempo que denuncia as desigualdades na educação e reclama o direito à realização do aborto legal em condições que preservem a saúde da mulher.

Com o 25 de Abril de 1974, o MDM incentiva uma maior participação das mulheres a nível social e político, de forma a atingir um dos seus princípios basilares: a igualdade. As reivindicações do 1.º Encontro Nacional do MDM são entregues à Junta de Salvação Nacional, a 27 de abril de 1974, dois dias depois da Revolução, e os primeiros estatutos são aprovados a 12 de outubro de 1975, no 2.º Encontro Nacional do MDM, realizado em Lisboa.

Ciclo de Debates | Vida e obra de Maria Lamas: Atualizar o pensamento, abalar a indiferençaO MDM surge na sequência de outros movimentos feministas, tais como a Liga Republicana de Mulheres (1909), fundada por Ana de Castro Osório, o Conselho Nacional de Mulheres Portuguesas (CNMP) (1914), presidido por Adelaide Cabete, a Associação Feminina de Propaganda Democrática (1916), dirigida por Maria Veleda, e a Associação Feminina Portuguesa para a Paz (1936). Surgiu por iniciativa de diferentes mulheres oriundas de movimentos e organizações como o CNMP – com uma vida irregular durante o Estado Novo e que pela oposição à ditadura chegou mesmo a ser encerrado em 1947 – e a Associação Feminina Portuguesa para a Paz, entre as quais estão nomes como: Francine Benoît, Maria Isabel Aboim Inglês, Manuela Porto, Maria Alda Nogueira, Laura Lopes e Maria Lamas, entre outras.

O 1.º Congresso do MDM, com o lema «Unidas para fazer de Abril certeza», realiza-se em 1980, com a presença de 700 delegadas, além de convidados, e em outubro de 2018 irá decorrer a sua 10.ª edição.

A exposição, comissariada pelo MDM com o apoio da CIG, inclui documentos do arquivo do MDM, que espelham os principais momentos e lutas do movimento, ligando a luta das mulheres portuguesas à luta das mulheres de todo o mundo, numa história feita de estórias.

Fonte: bnportugal.pt

Outros artigos em Divulgação Cultural:

Exposição | Atlas Suzanne Daveau | 16 abr. – 30 jul.

Exposição | Atlas Suzanne Daveau | 16 abr. – 30 jul.

As fotografias de Suzanne Daveau registaram o tempo longo das sociedades rurais ocidentais ou tribais de África, as paisagens quase intocadas pela mão humana, mas também o enunciar de um mundo em progressiva mudança. O Atlas Suzanne Daveau é este percurso por um singular universo fotográfico que procurou uma ideia de verdade

Em Abril, na Casa da Música

Em Abril, na Casa da Música

As artes precisam de partilha, de presença, da respiração das pessoas, no palco e em torno dele. A centelha que desperta as emoções de um concerto ao vivo volta a brilhar a partir de 19 de Abril

Apoios/Parcerias:

Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA (APECS)By The BookCarmo's Residence - Art ApartmentsConsulped - Consultórios de Pediatria e da Famíliaideiavirtual - aplicações interativasLACPEDI - Liga de Apoio Comunitário em prol do Estudo das Doenças InfecciosasLiga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, LAHSB-CHS
LASAOrdem dos MédicosSociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos (SOPEAM)Sociedade Portuguesa de Medicina Interna: SPMISociedade Portuguesa de Medicina do Viajante (SPMV)sYnapsis