Notícias

Divulgação Cultural

CCB | Ciclo Os Portugueses na China > Dias 6, 12, 19 novembro e 3 dezembro | 18h00

CCB | Ciclo Os Portugueses na China > Dias 6, 12, 19 novembro e 3 dezembro | 18h00
CCB | Ciclo Os Portugueses na China > Dias 6, 12, 19 novembro e 3 dezembro | 18h00

Ciclo Os Portugueses na China
6, 12, 19 novembro e 3 dezembro
Centro de Congressos e Reuniões |18h00
M/6

Coordenação Prof. João Paulo Oliveira e Costa

No início do século XVI, a China era o maior consumidor de especiarias do globo e um século atrás tinha sido a maior potência naval do mundo. Tendo interrompido a sua intervenção no Oceano Índico, os chineses deixaram espaço para o progresso da islamização dos mares da Ásia e para a criação do Estado da Índia. As notícias veiculadas por Marco Polo eram pouco claras e os portugueses não associaram os produtores de porcelana e de seda ao reino descrito pelo veneziano. Foi, pois, através dos portugueses que a Europa foi tomando conhecimento da civilização chinesa. O relacionamento entre os povos dos extremos da Eurásia foi difícil; habituados a enfrentar a oposição muçulmana pela força, os portugueses tardaram em ganhar a habilidade diplomática necessária para seduzir mandarins e a corte imperial. O início do comércio com o Japão e a capacidade de ajudar a manter a ordem no sul da China criaram as condições para as negociações que levaram à fundação de Macau. Depois, foi a vez de os jesuítas desenvolverem um trabalho paciente que acabou por os instalar na capital com funções relevantes como matemáticos. A presença portuguesa na China nunca foi determinante para a evolução política do Celeste Império, mas a emergência de um novo poder naval no Mar da China, a partir do século XVI, condicionou a geoestratégia de Pequim desde então. – João Paulo Oliveira e Costa

Fonte: ccb.pt »

Outros artigos em Divulgação Cultural:

Concerto | A Arte da Variação no Tempo de Francisco de Holanda | 16 fev. | 14h30 | BNP

Concerto | A Arte da Variação no Tempo de Francisco de Holanda | 16 fev. | 14h30 | BNP

Terminando as iniciativas comemorativas dos 500 anos do nascimento de Francisco de Holanda, homenageia-se esta figura incontornável do Renascimento com o concerto A Arte da Variação no Tempo de Francisco de Holanda (1517-1584), apresentado pelos Segréis de Lisboa, ao qual se segue a última visita guiada à exposição, pela comissária Sylvie Deswarte-Rosa

Invicta.Música.Filmes · 10 – 19 Fevereiro 2019

Invicta.Música.Filmes · 10 – 19 Fevereiro 2019

A magia do cinema regressa à Casa da Música com quatro cine-concertos a não perder. No ano em que se completam 130 anos desde o nascimento de Charles Chaplin, A Quimera do Ouro está em cartaz numa sessão única na Sala Suggia. A banda sonora deste filme mudo inesquecível é interpretada ao vivo pela Orquestra Sinfónica

Apoios/Parcerias:

Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da SIDA (APECS)By The BookCarmo's Residence - Art ApartmentsConsulped - Consultórios de Pediatria e da Famíliaideiavirtual - aplicações interativasLACPEDI - Liga de Apoio Comunitário em prol do Estudo das Doenças InfecciosasLiga dos Amigos do Hospital de São Bernardo, LAHSB-CHS
LASAOrdem dos MédicosSociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos (SOPEAM)Sociedade Portuguesa de Medicina Interna: SPMISociedade Portuguesa de Medicina do Viajante (SPMV)sYnapsis